Kit Anexina V-FITC 100 testes

Anexina V é uma proteína que se liga a fosfolipídeos e possui alta afinidade por fosfatidilserina (PS) na presença íons de cálcio. Nas células no início da apoptose, onde a membrana celular ainda permanece intacta mas sofre uma desorganização, a PS é translocada para a superfície exterior da bicamada onde é analisada através da medição da aderência de Anexina V. Ao conjugar a Anexina V ao FITC (Isotiocianato de fluoresceína) é possível identificar e quantificar vários tipos de células apoptóticas por citometria de fluxo. Este Kit ainda permite distinguir células apoptóticas de células necróticas utilizando o marcador nuclear fluorescente Iodeto de Propídio (PI). O iodeto de propídio é uma molécula que se intercala em qualquer DNA, desde que a membrana celular esteja permeável. Tal propriedade deve-se ao fato de que marcadores de DNA de elevado peso molecular, como o PI, não são passíveis de
penetrar na célula intacta em decorrência do seu tamanho, bem como não marcam células apoptóticas sem que estas apresentem alterações na permeabilidade da membrana plasmática, como ocorre nos estágios finais da apoptose. Desse modo, corar células simultaneamente com Anexina V-FITC (fluorescência verde) e com o corante PI (fluorescência vermelha) permite a discriminação de células intactas, viáveis (FITC – PI -), no início de apoptose FITC + PI -) e células tardiamente apoptóticas ou necróticas (FITC + PI +).

SKU: 100034 Categoria:

Descrição

Anexina V é uma proteína que se liga a fosfolipídeos e possui alta afinidade por fosfatidilserina (PS) na presença íons de cálcio. Nas células no início da apoptose, onde a membrana celular ainda permanece intacta mas sofre uma desorganização, a PS é translocada para a superfície exterior da bicamada onde é analisada através da medição da aderência de Anexina V. Ao conjugar a Anexina V ao FITC (Isotiocianato de fluoresceína) é possível identificar e quantificar vários tipos de células apoptóticas por citometria de fluxo. Este Kit ainda permite distinguir células apoptóticas de células necróticas utilizando o marcador nuclear fluorescente Iodeto de Propídio (PI). O iodeto de propídio é uma molécula que se intercala em qualquer DNA, desde que a membrana celular esteja permeável. Tal propriedade deve-se ao fato de que marcadores de DNA de elevado peso molecular, como o PI, não são passíveis de
penetrar na célula intacta em decorrência do seu tamanho, bem como não marcam células apoptóticas sem que estas apresentem alterações na permeabilidade da membrana plasmática, como ocorre nos estágios finais da apoptose. Desse modo, corar células simultaneamente com Anexina V-FITC (fluorescência verde) e com o corante PI (fluorescência vermelha) permite a discriminação de células intactas, viáveis (FITC – PI -), no início de apoptose FITC + PI -) e células tardiamente apoptóticas ou necróticas (FITC + PI +).